ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CRIADORES DE CAVALOS DA RAÇA MANGALARGA

Mangalarga, o Cavalo de Sela Brasileiro

PT

Logo

Quiropraxia em equinos




A Quiropraxia é uma terapia manual holística (enxerga o animal como um todo) que tem como objetivo diagnosticar, tratar e prevenir as desordens neuro-músculo-esqueléticas através de ajustes manuais, promovendo a interação entre estrutura (coluna) e função (sistema nervoso).

O termo Quiropraxia vêm do grego (quiro = mãos e práxis = prática) e significa "praticar com as mãos". Teve sua origem em 1895 quando o médico D.D. Palmer desenvolveu o método para tratar disfunções neurológicas e músculo-esquelétucas de seus pacientes. Desde então vêm sendo praticada em animais e atualmente é bastante utilizada na medicina veterinária.

Tem como objetivo tratar Complexos de Subluxação Vertebral (CSV) e promover a manutenção da saúde, entendendo aqui saúde como "um estado de bem estar ideal físico, mental e comportamental, e não somente a ausência da doença ou enfermidade" (SAUNDERS). O CSV pode ser descrito como o desalinhamento de uma vértebra em relação a seguinte, de forma que sua movimentação esteja limitada, causando alterações na dinâmica normal da relação anatômica e fisiológica do corpo.




A QUIROPRAXIA ATUA PROMOVENDO O EQUILÍBRIO DO CORPO (HOMEOSTASE) PARA QUE O ORGANISMO FUNCIONE COMO UM TODO EM SEU MÁXIMO POTENCIAL.

A coluna do cavalo é composta por 7 vértebras cervicais, 18 torácicas, 6 lombares (pode variar de acordo com a raça), 5 sacrais e, em média, 20 vértebras caudais. É por dentro dela que passa a medula espinhal, onde o tecido nervoso é encarregado de receber e transmitir as informações do corpo para o cérebro e vice-versa.




Portanto, quando há um CSV além da biomecânica do animal ser alterada, há também uma falha na comunicação do sistema nervoso com o restante do corpo, causando alterações sensitivas ou motoras, prejudicando a saúde e o desempenho atlético do animal.

Quando um cavalo apresenta um CSV ele acaba sobrecarregando outras estruturas, e assim vão aparecendo lesões compensatórias. O inverso também pode ocorrer, se o cavalo apresenta uma lesão primária, que não seja na coluna, ele vai acabar compensando também na coluna, causando CSV. Por exemplo, é muito comum cavalos que apresentam claudicação apresentarem CSV em vértebras cervicais, e esses podem ser primários ou secundários. As lesões compensatórias ocorrem devido a mudança de postura a fim de poupar a parte afetada, e por isso, muitas vezes, o cavalo pode demorar meses até apresentar um quadro de dor.

Sendo assim, podemos dizer que a quiropraxia otimiza a comunicação entre o cérebro e o resto do corpo através de ajustes manuais dos CSV, sendo então possível restabelecer a biomecânica normal da articulação e consequentemente a função nervosa correspondente ao segmento vertebral em questão, promovendo então a homeostase, levando o animal ao seu maior potencial de movimentação e melhorando os quadros de dor muscular.

O quiropraxista, antes de fazer os ajustes vertebrais, faz uma boa avaliação do animal parado e em movimento. Quando parado, deve-se observar seus apoios, posicionamento do corpo como um todo, presença de atrofia ou hipertrofia muscular e fazer palpação de toda a musculatura em busca de pontos de tensão e dor. Já em movimento, faz-se uma análise biomecânica e comportamental: ao passo é possível ver alterações de apoio, diferenças de movimentação dos membros, posicionamento de cabeça, rabo entre outras coisas. Quando é possível, pode ser feita também uma avaliação do cavalo montado - ao trote e ao galope curto-, além das observações já descritas, é importante também prestar atenção no comportamento do cavalo em relação aos comandos de mão e perna do cavaleiro; aceitação da sela, barrigueira e embocadura; movimentação em círculos para os dois lados; entre outros.

Algumas das indicações para aplicação da quiropraxia são: queda de performance; manutenção da saúde (homeostase); prevenção de lesões; dores musculares agudas ou crônicas; dificuldades de realizar certos tipos de manobras e/ou exercícios; mudança de comportamento; movimentos bruscos de cabeça; postura anormal; desconforto ao colocar a sela; insubordinação à monta; entre outros.

A quiropraxia também pode ser utilizada após situações de estresse, como ferrageamento, transportes longos, quedas e traumas; alem de auxiliar no diagnóstico de certas claudicações e também como complementar na correção de aprumo de potros.

QUANDO UTILIZADA COMO TRATAMENTO, A QUIROPRAXIA APRESENTA, NA MAIORIA DOS CASOS, UMA VISÍVEL MELHORA APÓS A PRIMEIRA SESSÃO. PROBLEMAS AGUDOS FREQUENTEMENTE RESPONDEM RAPIDAMENTE A TERAPIA, AO PASSO QUE, QUANDO CRÔNICOS, REQUEREM TRATAMENTOS MAIS LONGOS.

A duração e frequência do tratamento é variável de acordo com o caso, mas devido a evidente melhora, muitos optam pelo uso contínuo do método. Desta maneira, há indicação da quiropraxia como forma preventiva, já que sabemos que o animal estando saudável ele terá melhor desempenho e maior longeividade como atleta, e tratando-se de saúde a quiropraxia tem grande importância, pois o quiropraxista atua "tirando a ferrugem da máquina".

Vale ressaltar que a quiropraxia não visa substituir a medicina veterinária tradicional, mas sim atuar como um complemento, para que possam ser aplicadas juntas e com um mesmo objetivo: a saúde e o bem estar do cavalo.

 

Helena Isola, medica veterinária formada pela Universidade Paulista em 2005, com residência na área de eqüinos da USP em 2007 e curso de extensão em Quiropraxia  Veterinária do IBRA em 2012.

Atualmente trabalha principalmente com cavalos atletas de todas as modalidades.

CONTATO:

F. 19 99971.0616

helenaisola@gmail.com

Logo

Anúncios


Logo

Parceiros